20190611

Expectativas

Já tem um tempo que eu me toquei que as minhas expectativas eram irreais - e eu não tinha noção do quanto.

Tudo que eu esperava que alguém fizesse pra mim eu tive que aprender, do jeito mais triste, que tenho que fazer eu mesmo. Tudo que eu esperava que alguém fosse pra mim, eu mesmo terei de ser. Todas as escolhas são só minhas, e as consequências só minhas pra lidar.

20190102

Em busca do caimento perfeito

Quanto mais eu viajo esse Brasil, mas eu tenho certeza que uma das coisas mais difíceis de se fazer nesse mundo é construir um banheiro com caimento pro ralo.

2019

As coisas estão bem na mesma desde a última postagem. Aconteceram coisas interessantes, coisas chatas pra krlho, mas no fundo tem sido bom. Não vai ter drama de política aqui, mas vão ser quatro anos de depressão e merda acontecendo, e não é só pra mim. Meu drama aqui vai ser como lidar com as minhas próprias expectativas, reais e irreais, pra não ficar doido. Vou fazer umas postagens com as coisas que eu escrevi no último ano, no celular mesmo, pra deixar arquivada aqui. No resto, vai ser drama e aleatoriedade.

20140328

ACHO

que eu queria alguém pra ouvir minhas besteiras, e rir comigo das minhas ideias idiotas de felicidade.

20140311

Hábito

A constância do desapontamento desfez uma visão positiva do mundo. Tomou o lugar da felicidade espontânea e a transformou em uma reflexão sobre a inconstância da positividade na minha persona. E, em meio às voltas da minha percepção, cada novo empecilho se soma à experiências que definem o hábito - evitar. Evitar pessoas, evitar situações, evitar lugares. Evitar me desapontar com um mundo alheio à minha patética necessidade de vê-lo com otimismo.

20140210

Subterfúgios

Não sou uma pessoa boa de lidar com frustração. Pra mim, é como um aperto no peito, um desespero que tira o fôlego e me deixa sem saber o que fazer. Às vezes é sem saber o que fazer da vida, às vezes é sem saber se entro ou não em determinada loja. É complicado até de explicar para os outros, ainda mais porque eu estou praticamente entrando em parafuso toda vez que eu penso em criar uma situação em que eu possa ser criticado/humilhado/ridicularizado.

E isso tem me feito mudar o jeito de falar com os outros e o jeito como eu me relaciono. Não estou conseguindo me abrir, não sei mais com quem conversar, e até as pessoas que eu gosto eu me vejo evitando pra não criar situações em que eu me veja frustrado.

Agora que eu me pego refletindo, eu vejo que eu me enlacei numa contingência em que a perspetiva de me frustrar inibe uma parte muito grande do meu repertório. Não tenho falado as coisas que eu gosto de falar, não tenho feito as coisas que eu gosto de fazer, não tenho sido a pessoa que eu gosto de ser.

Queria ter alguém pra falar todas essas minhas merdas e não ser julgado. Queria que não me olhassem como se eu fosse um imbecil por sentir o que eu sinto. Queria... sei lá. Não sei nem o que eu quero.

Quero poder lavar a louça de casa sem parar na frente da pia e ficar triste por tudo aquilo ali ser em vão. Quero poder dormir na minha cama, sem me sentir sozinho e ir pro sofá pra não lidar com aquilo.
Quero poder cozinhar e não ficar só pensando em quanto daquilo vai pro lixo por não ter mais ninguém pra comer comigo.

E eu ouço na minha cabeça todos os comentários que as pessoas poderiam fazer em resposta ao que eu to dizendo. Piadas, gracinha, zoação. Mas eu não tenho como dizer para as vozes que é sério, que eu tô mal, que eu não tô mais com vontade de ser ou estar assim. Não tenho como dizer para as pessoas de verdade que eu tô mal. Por que pra fazer isso eu preciso dizer que eu sou fraco, que eu não consigo fazer as coisas sozinho, e na minha cabeça isso é abrir espaço pra ser constrangido.

E no meio tempo eu tô só acompanhando enquanto eu vejo minha vida indo para um caminho que eu não quero. Mas, sozinho, não tenho porque fazer nada pra mudar. Mudar pra quê? Pra quem?

20140207

Quem sabe?

Quem sabe um dia eu me reencontro, as coisas voltam a fazer sentido e o caminho volta a valer a pena...